Primeiras impressões de Garo: Vanishing Line

Olá povo, estou de volta!

Andei sumido, mas agora vamos falar de algo que muitos aqui gostam, principalmente o senhor Johnny Souji. Trago para vocês minhas primeiras impressões de Garo: Vanishing Line ou, numa tradução livre pra português, Linha de Fuga. É… Acho melhor manter o título original mesmo.

Essa é a terceira adaptação da franquia para o mundo dos animes. A primeira, Honoo No Kokuin, foi um ótimo começo no universo das animações, aconselho muito para os fãs assistirem. Já a segunda, Guren No Tsuki, é bem mais ou menos, beirando o chato pra mim.

Enquanto escrevo esse texto, Vanishing Line está no seu quarto episódio e devo dizer que a coisa não vai bem, pessoal… De cara posso falar de algo que tem me incomodado desde o começo: a forma como o elemento místico e sobrenatural está sendo abordado. As coisas não parecem se encaixar, em alguns momentos fazem uma mistura doida de tecnologia e magia e em outros deixam todo o místico bem nas sombras, parecendo querer evitar essa característica.

O melhor exemplo é o próprio Garo. Se alguém que não conhece a franquia assiste o primeiro episódio, com certeza vai achar que se trata de uma obra cyberpunk ou algo do gênero, pois não há indícios do envolvimento da magia a princípio. Os únicos momentos que esses elementos aparecem e funcionam são com o personagem Luke que, até o momento, parece a concepção mais certa aqui.

Além disso, temos outro problema, Sword, que é o nosso Garo aqui. Sabe aqueles personagens usados como protagonistas numa série, mas que se sairiam melhor como secundários? Pois então, é esse o caso. Até agora ele não mostrou nada que me faça reconhecê-lo como um personagem interessante ou que traga algum diferencial para atrair o público que assiste. Ele parece ser legal, mas seria melhor se fosse um coadjuvante.

Outro fato que causa incômodo nessa adaptação é o fato de que, agora, os Cavaleiros Makai tem super força e resistência sobre humana. Nos primeiros cinco minutos do primeiro episódio acontecem algumas situações com o protagonista que qualquer ser humano não sobreviveria. Os cavaleiros sempre foram pessoas treinadas até o máximo da perfeição humana e só tinham habilidades maiores quando usavam as armaduras. Aqui ele não parece ter preparo nenhum e, no fim, é só um brutamonte despreparado que destrói tudo em volta pra matar um bicho.

Por enquanto ainda não posso comentar sobre a trama, pois ainda está em desenvolvimento. Se seguirem com o planejado, essa temporada terá 24 episódios assim como as outras e eu temo que acabe não sendo muito boa. Pelo andar da carruagem, o roteiro não parece nem um pouco interessante mas, a qualidade de animação é muito boa, o que é um ponto positivo, apesar de ainda ser o único item que salva a série até então. Espero que comecem a dar o gás que o anime está precisando.

Bem, é isso gente! Se gostaram, comentem aqui e deixem suas opiniões, que são sempre bem vindas, além de sugestões, claro.

Antes que eu vá, uma prévia do que vou escrever em seguida… Calma que essa semana ainda tem muitos posts para vocês!

 

About Ygor Medina

One comment

  1. Eu estou curtindo esse anime, depois da animação passada, q eu concordo ser chata p cacete, essa nova está dando uns primeiros passos interessantes.
    Eu achei q o Sword tá no limite do q vc falou, entre o chato e algo com potencial para ser bom… A ambientação tá meio futurista, o q serve para mim como explicação, por enquanto, da diminuição da magia como fonte dos cavaleiros makai… Tô acompanhando e recomendo..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*