Alien: Covenant | Crítica sem spoilers

Sequência direta de Prometheus (2012), Alien: Covenant se passa dez anos após a partida de David e Dra. Shaw do planeta no qual sua tripulação foi dizimada no longa anterior.

Desta vez, temos uma nave colonizadora em busca de um novo planeta para a raça humana viver. Toda tripulação e os colonos estão em sono profundo, menos o sintético (androide) que coordena o transporte, Walter (Michael Fassbender). Uma tempestade de neutrinos atinge as velas de abastecimento de energia e os tripulantes são obrigados a acordar, com exceção do capitão interpretado por James Franco.

Após despertar, eles precisam consertar o problema e uma transmissão aparece no capacete de um dos tripulantes. A tripulação então decide se dirigir para o planeta em questão para averiguar a mensagem e, quem sabe, colonizá-lo.

E é aí que toda a treta do filme começa…

O elenco do filme como um todo é bem fraco, com atuações rasas. É difícil criar afeto ou interesse por algum deles. Nem mesmo por Daniels (Katherine Waterson), a protagonista do filme, que, na minha opinião, nem poderia ser considerada a personagem principal.

Todo o mérito de atuação vai para Michael Fassbender que vive dois personagens completamente distintos: o androide Walter e, mais uma vez, o papel de David. A briga de personalidades entre os dois é um dos pontos altos do filme.

Por vezes, o longa passeia por um drama de família com os tripulantes da nave, que é muito mal explorado e raso. Em outros momentos, é desenvolvido um terror espacial, é aí que o clima de Alien surge.

A primeira aparição do Xenomorfo é incrível. A computação gráfica, trabalhada junto com a trilha sonora e o gemido/grito peculiar, deixam o espectador em pânico. A ideia (criada e desenvolvida no primeiro filme da franquia) da corrida pelo interior da nave sem saber onde o inimigo espreita é maravilhosa e ao mesmo tempo angustiante.

A trilha sonora é impecável, mesclando momentos de crise com tensão, além de várias partes nas quais não há trilha nenhuma, somente o silêncio do espaço. Outro ponto muito positivo, como era de se esperar, é o incrível design, mais um dos destaques da produção.

Alien: Covenant chega aos cinemas brasileiros no próximo dia 11 de maio e merece contar com a sua presença. Quem gostou de Prometheus certamente não ficará desapontado com a sequência.

About Mozart

Vulgo Mozart Gomes é o Fundador , administrador e idealizador do Senpuu. Designer Gráfico, Mozenjaa é o responsável por todas as mudanças no layout do Senpuu, tanto as boas quanto as ruins. Fã de tokusatsu desde a era manchete, resolveu consumir diariamente todo o seu amor pelo tokusatsu, criando o Senpuu.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*